CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol

Site Oficial
da Confederação
Brasileira de
Handebol

CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol

Buscar

CBHb no Facebook CBHb no Twitter CBHb no YouTube CBHb no Instagram

Destaques da França, Tchê e Haniel acreditam que boa atuação fora do país pode ajudar até a seleção

Jogadores, que disputam a primeira temporada pelo USDK Dunkerque, foram convocados para o time estrangeiro que venceu o Jogo das Estrelas da Liga Francesa (39 a 38)

Da redação, Santo Andre (SP) - Novo País, novo time, nova língua, novo estilo de jogo. Em 2017, Haniel Langaro e Alex Pozzer, o Tchê, embarcaram no mesmo desafio: deixaram a Espanha, onde já estavam adaptados e atuavam de forma semelhante ao estilo brasileiro, e rumaram para a França, que tem um campeonato mais competitivo, baseado em muita força física.

A escolha já começa a mostrar frutos nessa primeira temporada. Os brasileiros foram convocados para a seleção estrangeira que derrotou os jogadores locais, por 39 a 38, no Jogo das Estrelas da Liga Francesa de Handebol, em 3 de fevereiro.

O lateral Haniel, de 22 anos e 1,97 m, e o pivô Tchê, de 29 anos e 1,92 m, atuam no USDK Dunkerque Handball, que tem como meta terminar o campeonato entre os cinco melhores para se credenciar para as principais competições europeias. Lá, os jogadores treinam de oito a dez vezes e fazem um jogo por semana.

Depois de algumas dificuldades com a língua, resolvidas até com mímicas, os dois já estão adaptados à nova vida na França e acreditam que a experiência deles na Europa será um diferencial também para o jogo da seleção brasileira.

 

Como está sendo a adaptação ao novo país?

Tchê: Está sendo boa, mas o estilo de jogo é bem diferente, muito mais físico.

Haniel: O começo foi um pouco difícil, pois chegar a um país onde você não conhece ninguém e muito menos fala a língua sempre é complicado.

Vocês convivem na França? Qual a importância de ter outro brasileiro jogando contigo?

Tchê: Sim, quando assinamos o contrato isso influenciou bastante. Tudo fica mais fácil quando se tem um companheiro brasileiro nos jogos e no dia a dia.

Haniel: Nós moramos em casas diferentes, mas estamos sempre em contato. É muito bom ter outro brasileiro jogando junto, tanto pela comunicação quanto pelo entrosamento que temos e que nos ajuda na seleção também.

O Espanhol é um idioma bem mais parecido com o Português do que o Francês. Como tem sido lidar com a nova língua?

Tchê: Eu não falava francês, estou tendo aulas. Na equipe tem alguns jogadores que falam Espanhol e Português, que ajudam bastante. No dia a dia, consigo me virar seja falando algo em Francês seja fazendo gestos, sempre damos um jeito.

Haniel: Eu não falava Francês, mas hoje já consigo me comunicar tranquilamente. No começo foi bem difícil, a gente se virava na base da mímica.

Por que você decidiu ir jogar fora do país e o que te levou a aceitar o convite para trocar a Espanha pela França?

Tchê: Queria ser jogador profissional, disputar um campeonato de alto nível, aprender um novo idioma e encarar o desafio de enfrentar tudo isso. A liga da França é uma das melhores do mundo, e o projeto do clube de montar uma equipe para jogar competições europeias me atraiu.

Haniel: Busquei a oportunidade de crescer no esporte e de poder jogar em grandes clubes da Europa. A França tem uma liga muito competitiva, umas das maiores do mundo, e o projeto que o clube me ofereceu foi muito interessante, por isso deixei a Espanha.

Em que o handebol francês difere do brasileiro?

Tchê: É um jogo de muito mais força e velocidade. O handebol brasileiro, que se parece muito com o espanhol, é um jogo mais tático.

Haniel: É um handebol muito forte fisicamente, todos os jogadores são muito bem preparados fisicamente, então o jogo é muito mais desgastante.

Qual a importância de se jogar handebol em um clube europeu?

Tchê: Jogando aqui, temos muito mais experiências, estamos jogando sempre contra os melhores e assim podemos evoluir mais.

Haniel: Muito grande. Você tem um ritmo totalmente diferente de jogo, está em uma grande vitrine, onde todas as pessoas do mundo do handebol te conhecem. Em termos de patrocínios acaba sendo positivo também.

Quais você avalia que serão os principais desafios da seleção nesse ciclo olímpico?

Tchê: Acredito que sejam os Jogos Pan-Americanos, em 2019, que classificam para a Olimpíada de Tóquio-2020. Espero que possamos ter uma boa preparação com treinos e jogos.

Haniel: Acho que o maior desafio é o tempo de treinamento, pois nos reunimos poucas vezes ao ano e isso acaba dificultando um pouco o trabalho. Outro grande desafio e meta de todos nós é a classificação para os Jogos Olímpicos.

Como avalia o ano passado, de transição pós-olímpica com troca de técnico e chegada de novos atletas à seleção?

Tchê: Essa transição é normal. É sempre importante ter uma renovação de atletas, as novas gerações chegam muito bem. Acredito que o Washington Nunes, à frente da seleção, fará um bom trabalho.

Haniel: Não tivemos muitas competições, então acaba sendo um pouco difícil avaliar, mas a troca de treinador e a chegada de jogadores novos sempre é válida, pois precisamos de caras novas e o processo de transição acaba fazendo parte.

Quais suas metas para 2018?

Tchê: Pelo clube é acabar a Liga entre os cinco primeiros pois estaríamos classificados para competições europeias. Com a seleção, é ir aos dois campeonatos [Jogos Sul-Americanos e Pan-Americano de Handebol] e ser campeão de ambos.

Haniel: Com o clube, é ficar entre os cinco primeiros da Liga. Também estar entre os convocados para servir a seleção e ganhar todos os campeonatos possíveis.

 

Patrocinador Oficial

Apoiador Oficial

Marca Esportiva Oficial / Bola Oficial

Cola Oficial

Apoio

Links

CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol

GA Negócios do Esporte

Criação de sites PWI