CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol

Site Oficial
da Confederação
Brasileira de
Handebol

CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol

Buscar

CBHb no Facebook CBHb no Twitter CBHb no YouTube CBHb no Instagram

Brasil faz história ao se classificar entre os Top 12

Seleção faz campanha histórica e avança para a segunda fase do Mundial.

A seleção Brasileira de Handebol Masculino alcança um feito inédito, passando para a segunda fase do campeonato mundial que está sendo disputado na Alemanha e Dinamarca. A seleção ficou em terceiro lugar no considerado "Grupo da Morte”,  encarando adversários como a atual campeã, França, que em 2017 conquistou o hexacampeonato, a Alemanha, tricampeã mundial e líder no Ranking da Federação Internacional, a difícil Rússia, a tradicional Sérvia e a Coreia [unificada], em sua primeira participação num campeonato.


Esta já é a melhor participação da seleção brasileira dentre as 26 edições da competição. Até aqui foram treze participações e um  13o lugar em 2013, na Espanha, foi a melhor classificação alcançada.

Sorteados em 4 grupos para a fase classificatória, 24 seleções disputaram a vaga para a próxima fase, na qual apenas as três melhores de cada grupo passariam, totalizando as 12 equipes que disputarão a segunda fase. Apesar dos históricos dos adversários, o Brasil fez uma campanha muito boa e conquistou mais do que as três importantes vitórias, mas o respeito do público e das outras seleções.

Na estreia no Mundial, o Brasil enfrentou a França na Arena Mercedes-Benz, em Berlim. Apesar da derrota (22(13):(16)24), o Brasil conquistou a torcida e o respeito dos adversários. Zé Toledo foi o MVP da partida e o artilheiro com 7 gols

Na segunda rodada, os adversários foram os alemães. Com as arquibancadas lotadas, a Alemanha abriu o placar e manteve a vantagem até o final. Alemanha 34(15):(8)21 Brasil. O MPVfoi o ponta esquerda Uwe Gensheimer.

Já no terceiro jogo, contra a Sérvia, o Brasil começou com a seriedade necessária para superar o adversário, garantindo a primeira vitória no Mundial por 22(11):(14)24. Thiagus Petrus foi eleito o MPV.

Num jogo disputado e decidido nos detalhes, a seleção encarou a Rússia. Gol a gol, e muitas punições foram a síntese da partida. Mas o jogo dos brasileiros estava encaixado e mantiveram a superioridade até o final. Placar final 23(10):(15)25. Felipe Borges foi o MVP e o artilheiro com 7 gols.

Com um jogo organizado para conter o estilo de jogo rápido e veloz dos asiáticos, os brasileiros administraram o ritmo e superaram a Coréia por 35(18):(10)26, garantindo a sequência no torneio. Guilherme Valadão foi o MVP da partida.

Estatísticas

Com cinco jogos disputados, a Seleção Brasileira encerra a primeira fase em terceiro lugar no grupo com 6 pontos, 3 vitórias e 2 derrotas.

O Brasil teve 55% de eficiência nas finalizações nos cinco jogos, foram 231 arremessos e 127 gols. Os goleiros defenderam 63 de 192 arremessos, sendo um rendimento de 33%. Nas punições de exclusão por 2 minutos, ficou entre os Top 5, o que caracteriza uma defesa bastante ativa e concisa.

A Federação Internacional ranquiou goleiros e finalizadores por suas estatísticas apresentadas nas partidas. José Toledo, armador, ficou em 16o, com 25 gols em 42 arremessos, uma eficiência de 60%. Bombom, goleiro, em 12o lugar, com 35% de eficiência, tendo defendido 33 de 94 arremessos.

Nos jogos do Brasil, quatro dos cinco MVP [most value player] foram brasileiros: José Toledo, Brasil-França, Thiagus Petrus, Sérvia-Brasil, Felipe Borges, Rússia-Brasil e, Guilherme Valadão, Brasil-Coreia.

Análise da Fase

O técnico Washington Nunes fez uma avaliação boa da competição ate aqui. Analisando a chave previamente no início do mundial, ele já apontava que as duas primeiras partidas seriam delicadas. Contra Rússia, Sérvia e Coréia considerava  três finais e também, três apostas, pois as vitórias lhes dariam a classificação. ”O jogo da Sérvia foi bastante tenso porque se vencêssemos teríamos chance de dar prosseguimento no Mundial e a equipe se comportou muito bem”, avalia Washington.

Segundo ele,  outro ponto de destaque foi a vitória contra a Rússia, um dos rivais mais difíceis do mundo e que nunca tínhamos conseguido ganhar. "Isso marcou uma nova etapa da equipe no mundial", afirmou. Ele lembra que depôs da vitória sobre a Rússia, só dependia deles porque se superassem a Coréia, a classificação viria. “ A postura da equipe foi de uma vontade. De quem queria muito a classificação. A diferença de gols foi um pouco surpreendente, pois a gente imaginava um jogo mais apertado. Mas pra nós foi muito positivo ”, comenta o treinador.

Sobre a histórica classificação, Washington é cauteloso sobre a sequência na competição, mas reconhece a dedicação e esforço da equipe. "Todo mundo tem ciência de que contribuiu para um resultado muito importante para o handebol masculino. Colocar a equipe entre as 12 melhores do mundo não é fácil e a gente há muito tempo vinha tentando isso ", diz Nunes.

José Toledo, eleito o MPV na estreia contra a França e com 25 gols na primeira fase do Campeonato, afirma que tiveram um começo com dois jogos difíceis e que por detalhe, a França saiu vitoriosa no jogo. Já com os alemães o ambiente era bastante favorável para a vitória sobre o Brasil, já que estão em casa. Para ele, a equipe esteve muito focada para os outros três jogos seguintes e, felizmente, saíram vitoriosos. “Temos consciência de que passar para o próxima etapa será muito difícil pois passamos com 0 pontos, mas não é por isso que vamos deixar de lutar. Vamos continuar firme e esperamos estar entre as 10 melhores equipes do mundo. A nossa vez chegou e espero que daqui pra frente o trabalho continue em todas as categorias da seleção, como vem sendo, e melhorando a cada mundial”, diz Toledo.

Com tom bem consciente, César Almeida, o Bombom, disse que eles já vieram sabendo que os dois primeiros jogos seriam complicados, contra duas seleções que lideram o Top 5. Dessa forma, traçaram um objetivo de ganhar da Rússia, Sérvia e Coreia. “A gente conseguiu um marco para o handebol brasileiro é esse era o nosso objetivo para ver se conseguimos mudar nosso handebol interno. Agora, a expectativa para a próxima fase é conseguir alguns pontinhos e melhorar ainda mais a classificação”  , finaliza Bombom.

Fernando Pacheco, o Zeba, eterno capitão da seleção e que hoje atua na Confederação, caracteriza como atípico para a atual Seleção Brasileira, o placar elástico no jogo contra a Alemanha. Ele reconhece a boa atuação na primeira fase e comemora o resultado da classificação. “A gente veio numa crescente. A confiança foi aumentando, o grupo está muito unido e as coisas estão acontecendo muito bem. A gente tá esperançoso e muito feliz com essa nova oportunidade de passar para a próxima fase e não vamos a passeio não. Vamos para disputar e buscar a melhor classificação possível para a seleção”, afirma Zeba.

Próxima fase

Para a continuidade do Mundial, Nunes enxerga a motivação e a confiança na forma de jogar da seleção, o que pode render bons resultados e, ainda que seja uma segunda fase muito difícil, o momento de ascensão no qual a seleção está pode ser determinante durante as partidas. "Temos que trabalhar forte e com intensidade, jogo a jogo, e ver o que a gente consegue. A partir daí a gente coloca cada degrau que a gente conseguir subir. Uma meta importante pra solidificar o trabalho da seleção nacional adulta masculina" , diz o técnico.

A seleção deixou Berlim na manhã desta sexta, 18, rumo a Cologne onde disputará as próximas três partidas do Mundial na Arena LANXESS. O Brasil volta a entrar em quadra contra a campeã mundial, Croácia, às 15h [horário de Brasília] de domingo, 20. No dia seguinte encara a Espanha às 15h[horário de Brasília]. No dia 23 de Janeiro, às 12h30 [horário de Brasília],  adversário será a Islândia.

Apoiador Oficial

Cola Oficial

Apoio

Links

CBHb Site Oficial da Confederação Brasileira de Handebol